quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

O amesquinhamento da alma.


A ingenuidade se foi como aquela lágrima que teima em cair sobre nosso rosto, já não mais moço, mas abalado pela triste realidade dos fatos. Mas quais fatos? Seriam eles tão horripilantes assim? Este fato pode abalar aquela ingenuidade, ou nós optamos por isso? Nós optamos pelo fim da ingenuidade! Todos aqueles estúpidos homens, os quais abominávamos, estão agora presentes em nossa alma. Transformamo-nos neles! Amesquinhamos nossa alma! O espírito solidário tornou-se solitário. Não sabemos lidar com tal solidão, mas, ainda assim, menosprezamos a fraternidade! A omissão virou lei; a sensibilidade morreu, ou melhor, nós a matamos; o último neurônio de compaixão fora enterrado pela primeira vontade de desprezo; a dor do próximo, já não choca mais. Muitos, “ingenuamente”, comemoram a morte da sua boa inocência, a qual Nietzsche dizia estar acima do bem e do mal. Na juventude, erroneamente, começa a se pensar em formar sua maturidade: se questionam, se embaraçam, para no fim, se perguntar, mais uma vez, se continuam a ser um tolo! Daí surge também outras características difíceis de superar, estas se agarram com mais precisão no jovem: o moralismo e a hipocrisia, que parece automática; chega a dar dó!
Espero que lembremos que nosso espírito moleque pode ter morrido, mas permanecerá insepulto. Ressuscite ele já!

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Essa é a pura realidade...

    Aprendi no decorrer da dessa minha vida,
    que não há nada melhor do que viver com um olhar de uma criança.
    Que valoriza as coisa simples,como um arco iris...
    Que chora quando doi...
    Que beija quando gosta...
    Que perdoa,pra continuar ...
    Que diz o que sente sem medo...

    A medida que crescemos vamos perdendo essa essência,que é um erro.
    É o erro sermos adultos.
    É esquecer o que realmente o que é valioso.
    As coisas que pra muitos são simples d+

    Pessoas vivem correndo atras de status...
    Que necessitam "ser" pra serem "felizes",so não digo que essa felicidade é de verdade ...

    Me chamem de tola,
    de ingênua,
    me chamem de criança...
    Tenho a consciência que sou uma mulher pelas minha experiancias e responsabilidades.
    Mas isso não me impede de tentar olhar essa vida com olhar "infatil".

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente no sentido de q para amadurecermos não precisamos perder nossa inocÊncia e se tivermos q perder q pelo menos não tire sua essência q é o mais importante para a nossa alma afianl é a nossa ingenuidade q nos faz ver o mundo melhor!

    ResponderExcluir